Menu

Blog

 12abr 

Projeto de gastronomia cultural visita a “Pérola do Vale”

 

Arenque, licor Wähler e Hackepeter, alguns dos sabores de Timbó, serão enfocados na ação que abrange cidades marcadas pela colonização germânica

Não é à toa que o município de Timbó, um dos mais charmosos do Vale Europeu em Santa Catarina, é conhecido como a Pérola do Vale. O encontro dos rios Benedito e Cedros cerca a cidade com um verde exuberante, evidenciando uma diversidade de atrativos naturais como o Parque Municipal Freymund Germer, conhecido como “Morro Azul”, além do Jardim Botânico Franz Damm, com a sua bela ponte, alvo de várias e lindas imagens – as preferidas dos turistas.

Mas não só: o Eco do Avencal, com turismo de experiência, o Parque Henry Paul para a prática de atividades ao ar livre, e o Parque Central, que rende belas imagens, assim como o Complexo Turístico Jardim do Imigrante, também são destaques desse lugar repleto de arquitetura, natureza, história, gastronomia e cultura.

E é esse lugar que acolhe a sétima etapa do projeto “Saberes e Fazeres da Gastronomia Germânica – Uma Abordagem Territorializada”, realizado pela Agência Cultural AqueleTrio, por meio do Programa de Incentivo à Cultura (PIC), do governo do Estado de Santa Catarina, e aprovado pela Fundação Catarinense de Cultura, com apoio do Hotel Tannenhof e incentivo da Havan, Urbano Alimentos, Ciser e Celesc. A equipe do projeto vai a município nos dias 16 e 17 de abril.

“Os pratos que iremos focar em Timbó serão o Matches Hering com Sahne, do Restaurante Jardim Botânico, associado ao licor Wähler (receita de 1250), e o Hackepeter, do Restaurante Bierdam”, informa Helga Tytlik, coordenadora técnica do projeto, ao sublinhar que o arenque do Matches Hering é muito especial, já que o peixe é utilizado antes, ainda, da fase adulta, com natas e acompanhamentos.

Já o licor Wähler é produzido com ervas selecionadas e tem sabor considerado inigualável. “O licor de ervas é uma bebida de origem alemã e está presente na cultura do seu povo desde o século 15. Sua história está ligada aos caçadores daquela época, que o bebiam para enfrentar o frio rigoroso da região, durante seus longos períodos de caça. Mas era muito presente, também, por ter princípios curativos”, diz a pesquisadora.

Com o passar dos anos, a bebida tornou-se conhecida e apreciada pelos povos do mundo inteiro e hoje ainda faz muito sucesso. Helga destaca, ainda, que a Wähler desenvolve seu licor com 16 ervas selecionadas, de altíssima qualidade, proporcionando um sabor inigualável para os mais requintados e exigentes paladares. “Uma experiência única”, garantem seus produtores.

Desde janeiro, a equipe liderada pela coordenadora técnica vem mergulhando no universo da gastronomia com origem em países como Alemanha, Suíça e Áustria, e apurando suas adaptações ao paladar brasileiro. Já foram visitados estabelecimentos em Joinville, Campo Alegre, Corupá, Jaraguá do Sul, Blumenau e Schroeder. Até julho, dez cidades serão contempladas.

Um ingrediente de cada prato fará parte do mapeamento ilustrado da cadeia produtiva, para identificar onde, como e por quem é elaborado. Toda a pesquisa será divulgada em site próprio, além do lançamento de um livro (impresso e digital) reunindo histórias e curiosidades recolhidas entre os produtores e de um documentário.

Instagram do projeto: @gastronomia_identitaria.

Comentários (0)

Os comentários estão fechados.