Menu

Blog

Arquivo da Categoria  Sem categoria

18set

Duo de pianos brasileiros na abertura do Pianístico 2019

Gilson Peranzzetta e Leandro Braga se apresentam nesta quinta-feira à noite, no Teatro Juarez Machado; à tarde, Chá com Chiquinha Gonzaga na Harmonia-Lyra

Nomes reconhecidos pela sólida carreira dedicada ao piano, fortemente identificados com a música brasileira, Gilson Peranzzetta e Leandro Braga fazem o espetáculo que marca a abertura oficial do Pianístico 2019, festival que se propõe a transformar Joinville na capital do piano. A apresentação, já com ingressos esgotados, será às 20h, no palco do Teatro Juarez Machado. Haverá fila de espera, na bilheteria, e os ingressos de quem fez reserva pelo site e não retirar seu bilhete até 15 minutos antes do espetáculo serão oferecidos aos interessados – mesmo procedimento das outras atrações do Pianístico, que prossegue até domingo, com quase 20 apresentações em pelo menos oito locais, como shopping-center, livraria e galeria de arte, além da exibição de 12 músicos locais em cafés, livrarias, bares e restaurantes.

No concerto de abertura, peças selecionadas da música brasileira, em um passeio que vai de Dorival Caymmi (Maracangalha) a Noel Rosa e João de Barro (Pastorinhas), de Villa-Lobos (Trenzinho do Caipira) a Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (Asa Branca). Peranzzetta é pianista, compositor, arranjador, produtor e maestro, um dos mais renomados artistas brasileiros da atualidade. Citado pelo maestro Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do planeta, recebeu inúmeros prêmios, entre eles, cinco Prêmios de Música Brasileira como melhor arranjador, compositor e solista. Atingiu a impressionante marca de 56 CDs lançados no período de 1968 a 2019. Tem 300 músicas compostas, muitas gravadas por artistas nacionais como Djavan, Ivan Lins, Edu Lobo, Emílio Santiago e artistas internacionais – George Benson, Sara Vaughn e Barbra Streisand, dentre outros.

Leandro Braga, que estudou piano a partir dos 4 anos, aproximou-se do piano durante a faculdade (de Medicina, em que se formou), o que o inspirou a procurar aprendizado com mestres do piano e do arranjo e orquestração. Já foi requisitado como arranjador, tendo gravado inúmeras canções com Beth Carvalho, Chico Buarque, Caetano Veloso, Djavan, Fátima Guedes, Emílio Santiago, Tim Maia, Elba Ramalho, Guinga, Adriana Calcanhoto, e tantos outros. Entre esses, destaca seu trabalho com Ney Matogrosso, de quem foi diretor musical, Entre seus projetos atuais, a Sinfonia do Descobrimento, obra musical sobre a Carta do Descobrimento, de Pero Vaz de Caminha, e o show “Fé Cega”, na formação de trio (Piano, Contrabaixo e Percussão), dedicado a Milton Nascimento, onde explora principalmente as canções mais ritmadas do compositor.

Antes mesmo da abertura oficial, o piano ressoa no palco da Sociedade Harmonia Lyra, com o espetáculo “Chá com Chiquinha Gonzaga”, em que a pianista Olinda Allessandrini interpreta a primeira musicista de choro e a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, no início do século 20. O “Chá com Chiquinha Gonzaga”, marcado para as 16h do dia 19, recria o clima dos anos 20, nos salões da Harmonia-Lyra. Olinda se apresenta vestida à moda da época, evocando o período em que Chiquinha viveu, e o público também poderá optar por trajes nesse estilo, se desejar. Ainda há ingressos disponíveis, que podem ser adquiridos na bilheteria do teatro e na Cila Cabeleireiros, ao preço de R$ 80 – o que garante lugar nas mesas e degustação do cardápio concebido especialmente para a ocasião.

A Comissão Central Organizadora do evento é presidida por Carlos Branco, da Branco Produções, com mais de 25 anos de atuação em toda a América do Sul, que, além de produzir shows e festivais pelo país, é curadora de alguns das principais instituições musicais do país, como o Santander Cultural, o Instituto Ling e o Museu do Estado de Pernambuco. Branco também assina como diretor artístico do Pianístico 2019.

A coordenação geral é de Albertina Tuma, que, com o bailarino Carlos Tafur, criou o Festival de Dança de Joinville e é nacionalmente reconhecida por sua atuação no setor cultural. Ganhou o Prêmio Mambembe de 1988, no Rio de Janeiro, recebeu homenagem do Teatro Municipal de São Paulo, e, mais recentemente, da Câmara de Vereadores e do próprio Festival de Dança de Joinville. Na coordenação técnica, Patrícia Sirydakis Macedo, professora de piano, com formação, especialização e ampla experiência em educação musical.

 

Atividades didáticas

 

Uma iniciativa de sucesso no ano passado foi reprisada nesta segunda edição do festival. Trata-se do trabalho de formação em escolas públicas de Joinville, coordenado pela professora Patrícia Macedo. Na última semana de agosto, Patrícia realizou palestras interativas, com apoio audiovisual, abordando o piano e seus compositores. “Nosso objetivo principal foi o de ampliar o universo musical e cultural das crianças, além de criar um cenário mais concreto relacionando a música com a história e geografia”, adianta Patrícia. “Fizemos uma passagem pelos períodos da música, focando pianistas importantes”. As crianças receberam uma cartilha com resumo da palestra, curiosidades dos músicos e uma seleção de peças para ouvir em casa com familiares e amigos. Ainda na linha didática, a programação do Pianístico prevê encontros com músicos convidados, oficinas e um curso de formação para professores.

 

Piano por toda a cidade

Livrarias, lojas, bares, restaurantes e cafés levam ao público apresentações de piano de diversos estilos e técnicas, mostrando aos joinvilenses e visitantes o melhor da “prata da casa”. As apresentações começam já nesta quinta, dia 18, véspera da abertura oficial do festival, e abrangem os restaurantes Santa Mistura, Casa do Capitão, Giuseppe e Smania, a loja Enxovais D´Ouro, a livraria O Sebo, a cafeteria Doce Beijo L’ Artiste e a Padaria da Vila II. “Ter o Pianístico na Casa do Capitão será um presente para todos nós”, diz o empresário José Lopes, proprietário do restaurante. “Sabemos que nem todos poderão participar das apresentações no teatro. Então, para aqueles que, na correria do dia a dia, não conseguiram colocar o Pianístico em suas agendas, aqui há a chance de desfrutar deste lindo momento, na hora do almoço. Fazer parte do Pianístico nos enche de orgulho.”

 

Performances de pianistas

O Pianístico 2019 não respira “só” a música. Também se alimenta de diversas vertentes da arte – e uma delas é o teatro. Com o objetivo de aproximar a comunidade do piano, a segunda edição do festival contará com a intervenção de cinco atores, que vão interpretar célebres pianistas da história da música. Eles estarão circulando pelos locais dos espetáculos, ruas e shopping-centers, em contato direto com o público e trazendo um caráter mais lúdico à programação. O grupo é comandado pelo visagista, coreógrafo e diretor de artes cênicas Lucas David.

Serão cinco personagens: Mozart, Chopin, Chiquinha Gonzaga, Elton John e Beethoven. Eles serão interpretados, respectivamente, pelos atores Daniel Boes, Gabriel Garrido, Tifani Schmöller, Felipe Mathias e Téo Áida. Todos são alunos de Lucas, que ministra um curso sobre vivência teatral.

 

 

A PROGRAMAÇÃO

19 de setembro

16h – Sociedade Harmonia Lyra – Concerto e Chá com Chiquinha Gonzaga – Olinda Allessandrini

20h – Teatro Juarez Machado – Duo de pianos, com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga

20 de setembro

10h – Casa da Cultura de Joinville – Oficina com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga, sobre técnicas interpretativas da música popular

10h e 14h – Teatro Juarez Machado – Olinda Allessandrini – Concerto didático para alunos e professores de escolas públicas

17h – Escola Bolshoi – Luiz Guilherme Pozzi

19h – Shopping Mueller – Edson Sant´anna

20h30 – Teatro Juarez Machado – Dmytro Choni (Ucrânia)

22h30 – 33 Arthouse – Tom Worrell (Estados Unidos)

21 de setembro

10h30 e 13h30 – Casa da Cultura – Oficina de práticas pedagógicas para professores de iniciação musical ao piano, com as dras. Margareth Mila e Vivian Siedlecki

10h – Livraria A Página – Apresentação de pianistas inscritos pelo site do evento, para alunos de piano das escolas de música de Joinville

18h – Casa da Cultura – Encontro com o pianista Hercules Gomes, com o tema “O piano na música popular brasileira”

19h – Shopping Mueller – Tom Worrell (Estados Unidos)

20h30 – Teatro Juarez Machado – Chun Wang (China)

22h30 – Galeria 33 – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

22 de setembro

10h30 – Teatro Juarez Machado – Martin Münch (Alemanha)

17h – Teatro Juarez Machado – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

19h30 – Teatro Juarez Machado – Concerto de encerramento, com Hercules Gomes

 

Conheça os pianistas convidados

Martin Münch (Alemanha). Estudou música, filosofia e composição no Conservatório Superior de Karlsruhe. Como solista, realizou concertos em 30 países. Seu repertório atual inclui a suíte “Iberia” (completa), de Albéniz, e as dez Sonatas de Scriabin. Sua vivência musical abrange 56 obras, de música para piano e música de câmara a orquestra. Foi professor de piano na Universidade de Bamberg, de 1994 a 2013. Também é diretor artístico de vários festivais de piano em Heidelberg, Florença e outras cidades.

Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos). Nascido em Masaya, Nicaraguá, estudou piano clássico em seu país. Deixou a Nicarágua aos 14 anos, chegando a Los Angeles, em 1989. Hoje, vive em Nova York. Nos Estados Unidos, aos poucos foi migrando para o jazz, com graduação superior voltada ao gênero. Em 2013, passou a atuar como pianista do Ron Carter Trio. Uma lenda do jazz, Ron se encantou pelo piano de Donald, seu virtuosismo e bom gosto, técnica e sensibilidade. Donald tem viajado o mundo ao lado desse grande nome da música interncional. Em 2008, lançou seu primeiro álbum. Também é renomado professor de jazz. Além das instituições em que leciona, dá aulas na BackCountry Jazz, organização sem fins lucrativos que oferece educação musical para jovens em situação de risco.

Dmytro Choni (Ucrânia). O jovem músico, hoje com 26 anos, começou a estudar piano aos 4 anos de idade. Venceu o mundialmente famoso Paloma O’Shea Santander International Piano Competition 2018, na Espanha. Laureado em várias competições em países como Itália, Ucrânia, China, Estados Unidos, Itália e França. Realizou considerável número de recitais solo e música de câmara e tem atuado regularmente como solista de reconhecidas orquestras. A música de câmara também é parte importante das atividades musicais de Dmytro. Ele colaborou com famosos grupos, como Cuarteto Quiroga e Quartetto di Cremona, e músicos como os violinistas Andrej Bielow, Orest Smovzh e Mari Samuelsen.

Chun Wang (China). Nascido em 1990, começou a tocar piano com 5 anos de idade. Depois de vários prêmios em competições nacionais em seu país, ingressou no Conservatório Central de Música, em Beijing, com 13 anos. Completou seu mestrado na celebrada Julliard School, em 2015, e seu doutorado com Solomon Mikowsky na Manhattan School of Music, em Nova York. Já atuou em importantes salas ao redor do mundo, como Salle Cortot (Paris), Wigmore Hall (Londres), Sala Cecilia Meireles (Rio de Janeiro) e Teatro Coliseo (Buenos Aires), além de apresentações em outros países, em performances solos e em concertos com orquestra, com a Filarmônica de Buenos Aires, no Teatro Colon, com a Orquestra Sinfônica Nacional de Cuba, em Havana, com a MSM Symphony Orchestra, em Nova York.

Tom Worrell (Estados Unidos). Olhando sua biografia, parece que o destino do músico sempre foi viver e se apresentar em Nova Orleans. Foi ali, no berço do jazz, que trabalhou com personagens importantes do cenário local, artistas como Jumpin Johnny Sansone, JMonque’D, Mem Shannon & The Wild Magnolias, Walter Wolfman Washington, 101 Runners e Big Chief Monk Boudreaux. Atuou como multi-instrumentista e vocalista em algumas bandas de rock. Depois de conhecer a música de Professor Longhair e James Booker, mudou definitivamente sua forma de tocar: “Decidi que precisaria aprender a tocar daquele modo, ou pelo menos tentar. Desde então trabalho no estilo do piano de New Orleans e continuo nesse caminho até hoje”, revela o músico. Uma das figuras carimbadas da cena local, em Nova Orleans.

Gilson Peranzzetta. O pianista, compositor, arranjador, produtor e maestro é um dos mais renomados artistas brasileiros da atualidade. Sua performance como pianista e arranjador tem personalidade, criatividade, delicadeza, e requinte, sem jamais perder a brasilidade. Citado pelo maestro Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do planeta, recebeu inúmeros prêmios, entre eles, cinco Prêmios de Música Brasileira como melhor arranjador, compositor e solista. Atingiu a impressionante marca de 56 CDs lançados no período de 1968 a 2019. Tem 300 músicas compostas, muitas gravadas por artistas nacionais como Djavan, Ivan Lins, Leila Pinheiro, Leny Andrade, Dori Caymmi, Nana Caymmi, Edu Lobo, Emílio Santiago e artistas internacionais – George Benson, Sara Vaughn, Quincy Jones, Patty Austin, Jack Jones, Dianne Schurr, Dianne Reeves, Toots Thielemans, Shirley Horn e Barbra Streisand. Também é autor de peças para música de concerto, grupos de câmara, quarteto de cordas, quinteto de sopros, tendo atuado como solista e arranjador com a Orquestra Sinfônica Brasileira, Pittsburgh Symphony Orchestra (EUA), Metropole Orkest (Amsterdam), entre outras. Com sólida carreira internacional, apresenta-se anualmente nos mais importantes festivais na Europa, Estados Unidos e Japão.

Leandro Braga. Estudou piano já a partir dos 4 anos. Durante a faculdade (de Medicina, em que se formou), aproximou-se de músicos profissionais, o que o inspirou a procurar aprendizado com mestres do piano e do arranjo e orquestração, como Amylson Godoy, Nelson Ayres e Hilton Valente. Nesse período, conhece seu maior mestre e inspirador, o pianista, compositor e arranjador Luizinho Eça. Em sua longa carreira, foi requisitado como arranjador, tendo gravado inúmeras canções com Beth Carvalho, Chico Buarque, Caetano Veloso, Djavan, Fátima Guedes, Emílio Santiago, Tim Maia, Elba Ramalho, Guinga, Adriana Calcanhoto, e tantos outros. Entre esses, destaca seu trabalho com Ney Matogrosso, de quem foi diretor musical, Entre seus projetos atuais, a Sinfonia do Descobrimento, obra musical sobre a Carta do Descobrimento, de Pero Vaz de Caminha, e o show “Fé Cega”, na formação de trio (Piano, Contrabaixo e Percussão), dedicado a Milton Nascimento, onde explora principalmente as canções mais ritmadas do compositor.

Olinda Allessandrini. Suas atividades incluem apresentações ao vivo, gravações, atividades pedagógicas, colaboração em livros e jornais. É citada no livro “Arte do Piano”, de Sylvio Lago, pela “técnica apurada e dotada de fina imaginação e bom gosto”, “uma das mais atraentes pianistas do repertório nacional”. Em 2010, recebeu a medalha comemorativa ao “Ano Chopin”, do Consulado da Polônia em Porto Alegre. Tem CDs inteiramente dedicados a obras de Villa-Lobos, Radamés Gnattali e Araújo Vianna, além dos CDs “Panorama Brasileiro”, “Valsas”, “pamPiano”, “Ébano e Marfim”. Seu repertório pianístico vai do barroco ao contemporâneo e é frequentemente convidada como solista por orquestras, no Brasil e no exterior, com recitais, turnês e palestras realizadas em países como Alemanha, Áustria, Itália, Noruega e Estados Unidos.

Hercules Gomes. Começou a estudar piano como autodidata, aos 13 anos, e pouco tempo depois já tocava em grupos musicais de Vitória (ES), onde nasceu. Bacharel em música pela Unicamp, apresentou-se em alguns dos mais importantes festivais no Brasil e no exterior. Em 2015, participou da gravação do CD “Radamés Gnattali – Concertos Cariocas”, no qual interpretou o Concerto Carioca nº 2, com a Orquestra Sinfônica de Campinas. Em 2018, a convite do Ministério das Relações Exteriores, tocou como solista com a Jerusalem Symphony Orchestra. Seu primeiro trabalho solo, de 2013, demonstra fortes influências de ritmos brasileiros, jazz e da música erudita aliadas a uma técnica refinada, traduzindo ao piano seu universo sonoro. E em 2018 lançou seu segundo álbum intitulado “No tempo da Chiquinha” em comemoração aos 170 anos da pianista e compositora Chiquinha Gonzaga.


Luiz Guilherme Pozzi
. Graduou-se na classe da pianista russa Olga Kiun, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Primeiro colocado, com nota máxima, na prova de admissão da Escola Superior de Música de Freiburg, na Alemanha, também foi premiado com a bolsa integral da “Internationale Klavierakademie Murrhardt”, concorrendo com pianistas do mundo todo. Em 2005, integrou a classe do pedagogo russo Alexander Satz, na Universidade de Artes de Graz, na Áustria, onde foi diplomado com distinção. É mestre em música pela Unicamp e concluiu seu doutorado USP. Além de se apresentar regularmente como recitalista, camerista e solista em concertos com orquestra, é professor de piano e música de câmara e piano erudito.

Edson Sant´anna. Natural de Joinville, com carreira iniciada em bandas de baile e acompanhando cantoras, estudou piano na Casa da Cultura e Conservatório Belas Artes, antes de se transferir para São Paulo, em 2005. Lá, avançou em formação voltada ao piano popular, concluindo cursos de harmonia, contraponto e história da música, e também piano erudito. Sua peça “Sonatina n.01” obteve o terceiro lugar no 2º Concurso de Composição do Instituto Villa-Lobos, da Unirio (2010). Participou de grupos de música instrumental e atuou como professor em diversas oportunidades. É um dos idealizadores do Piano Talks, plataforma de ensino e conteúdo digital sobre piano popular.

Vivian Siedlecki. Professora adjunta da Universidade Estadual do Paraná (Unpespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Doutora em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Música pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Música de Câmara pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Bacharel em Instrumento/piano pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap).

Margareth Milano. Professora adjunta da Universidade do Paraná (Unespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap) desde 1994. Professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Música da Unespar/Embap), no Mestrado em Música. Doutora em Práticas Interpretativas/Piano pela UFRGS, com a tese “Percepções e concepções sobre corpo, gesto, técnica pianística e suas relações nas vivências de alunos de piano de dois cursos de pós-graduação em música”. Mestre em Execução Musical/Piano (UFBA), especialista em Educação Musical/Piano (Embap).

 

12set

Pianístico terá concertos e atividades didáticas com músicos do Brasil e do exterior

 

Programação começa na quinta-feira, 19, com
série de concertos gratuitos em diversos locais

O piano vai ser estrela na cidade das flores e da dança. A realização do Pianístico 2019, nos dias 19 a 22 de setembro, retoma o desafio de transformar Joinville na capital do piano, com uma programação que promete encantar os apreciadores do instrumento, mesclando concertos e atividades didáticas, nomes internacionais, nacionais e, claro, talentos locais. Serão quase 20 apresentações em pelo menos oito locais, entre salas de espetáculo e shopping-centers, uma livraria e uma galeria de arte, além da exibição de 12 músicos joinvilenses em cafés, lojas, livrarias, bares e restaurantes. Mais uma vez, o acesso será gratuito.

A abertura oficial será no dia 19, às 20h, com duo dos pianistas Gilson Peranzzetta e Leandro Braga, no Teatro Juarez Machado. O carioca Peranzzetta é maestro, orquestrador, compositor e instrumentista, tendo sido citado pelo produtor norte-americano Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do mundo. Já acompanhou artistas como Ivan Lins, Elizeth Cardozo, Gonzaguinha e Gal Costa. Braga, paulista, graduou-se em medicina, mas enveredou pela música popular e pelo jazz. Gravou com Chico Buarque, Caetano, Djavan e Ney Matogrosso, entre outros astros da MPB. Também no dia 19, às 16h, na Sociedade Harmonia Lyra, o público será convidado a tomar um chá com a célebre Chiquinha Gonzaga, a primeira musicista de choro e a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, no início do século 20. Chiquinha será interpretada pela pianista Olinda Allessandrini. No espetáculo, e em outros momentos do Pianístico 2019, haverá a participação de atores trajados como cinco célebres pianistas – Elton John, Chiquinha Gonzaga, Mozart, Chopin, Beethoven –, em performances que estão sendo preparadas pelo diretor teatral Lucas David. Os atores também farão intervenções em locais públicos e shopping-centers, para divulgar a realização do festival.

A Comissão Central Organizadora do evento é presidida por Carlos Branco, da Branco Produções, com mais de 25 anos de atuação em toda a América do Sul, que, além de produzir shows e festivais pelo país, é curadora de alguns das principais instituições musicais do país, como o Santander Cultural, o Instituto Ling e o Museu do Estado de Pernambuco. Branco também assina como diretor artístico do Pianístico 2019.

A coordenação geral é de Albertina Tuma, que, com o bailarino Carlos Tafur, criou o Festival de Dança de Joinville e é nacionalmente reconhecida por sua atuação no setor cultural. Ganhou o Prêmio Mambembe de 1988, no Rio de Janeiro, recebeu homenagem do Teatro Municipal de São Paulo, e, mais recentemente, da Câmara de Vereadores e do próprio Festival de Dança de Joinville. Na coordenação técnica, Patrícia Sirydakis Macedo, professora de piano, com formação, especialização e ampla experiência em educação musical.

O festival, nascido como Pianíssimo em 2018, mudou de nome para viabilizar o registro da marca que, a partir de agora, vai acompanhar o evento. Mas, garante Carlos Branco, as diretrizes que orientam a iniciativa continuam as mesmas. “Apesar das dificuldades econômicas que o país atravessa, com auxílio de patrocinadores que apostaram no projeto, conseguiremos novamente trazer a Joinville alguns importantes nomes do piano mundial, com a presença de artistas da Ucrânia, China, Nicarágua, Estados Unidos, Alemanha e vários reconhecidos pianistas brasileiros, executando música erudita, blues, jazz e o melhor da MPB”, resume o diretor artístico.

 

Outra iniciativa de sucesso no ano passado foi reprisada nesta segunda edição do festival. Trata-se do trabalho de formação em escolas públicas de Joinville, coordenado pela professora Patrícia Macedo. Na última semana de agosto, Patrícia realizou palestras interativas, com apoio audiovisual, abordando o piano e seus compositores. “Nosso objetivo principal foi o de ampliar o universo musical e cultural das crianças, além de criar um cenário mais concreto relacionando a música com a história e geografia”, adianta Patrícia. “Fizemos uma passagem pelos períodos da música, focando pianistas importantes”. As crianças receberam uma cartilha com resumo da palestra, curiosidades dos músicos e uma seleção de peças para ouvir em casa com familiares e amigos. Ainda na linha didática, a programação do Pianístico prevê encontros com músicos convidados, oficinas e um curso de formação para professores.

 

 

A PROGRAMAÇÃO

19 de setembro

16h – Sociedade Harmonia Lyra – Concerto e Chá com Chiquinha Gonzaga – Olinda Allessandrini

20h – Teatro Juarez Machado – Duo de pianos, com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga

20 de setembro

10h – Casa da Cultura de Joinville – Oficina com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga, sobre técnicas interpretativas da música popular

10h e 14h – Teatro Juarez Machado – Olinda Allessandrini – Concerto didático para alunos e professores de escolas públicas

17h – Escola Bolshoi – Luiz Guilherme Pozzi

19h – Shopping Mueller – Edson Sant´anna

20h30 – Teatro Juarez Machado – Dmytro Choni (Ucrânia)

22h30 – 33 Arthouse – Tom Worrell (Estados Unidos)

21 de setembro

10h30 e 13h30 – Casa da Cultura – Oficina de práticas pedagógicas para professores de iniciação musical ao piano, com as dras. Margareth Mila e Vivian Siedlecki

10h – Livraria A Página – Apresentação de pianistas inscritos pelo site do evento, para alunos de piano das escolas de música de Joinville

18h – Casa da Cultura – Encontro com o pianista Hercules Gomes, com o tema “O piano na música popular brasileira”

19h – Shopping Mueller – Tom Worrell (Estados Unidos)

20h30 – Teatro Juarez Machado – Chun Wang (China)

22h30 – Galeria 33 – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

22 de setembro

10h30 – Teatro Juarez Machado – Martin Münch (Alemanha)

17h – Teatro Juarez Machado – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

19h30 – Teatro Juarez Machado – Concerto de encerramento, com Hercules Gomes

 

Conheça os pianistas convidados

Martin Münch (Alemanha). Estudou música, filosofia e composição no Conservatório Superior de Karlsruhe. Como solista, realizou concertos em 30 países. Seu repertório atual inclui a suíte “Iberia” (completa), de Albéniz, e as dez Sonatas de Scriabin. Sua vivência musical abrange 56 obras, de música para piano e música de câmara a orquestra. Foi professor de piano na Universidade de Bamberg, de 1994 a 2013. Também é diretor artístico de vários festivais de piano em Heidelberg, Florença e outras cidades.

Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos). Nascido em Masaya, Nicaraguá, estudou piano clássico em seu país. Deixou a Nicarágua aos 14 anos, chegando a Los Angeles, em 1989. Hoje, vive em Nova York. Nos Estados Unidos, aos poucos foi migrando para o jazz, com graduação superior voltada ao gênero. Em 2013, passou a atuar como pianista do Ron Carter Trio. Uma lenda do jazz, Ron se encantou pelo piano de Donald, seu virtuosismo e bom gosto, técnica e sensibilidade. Donald tem viajado o mundo ao lado desse grande nome da música interncional. Em 2008, lançou seu primeiro álbum. Também é renomado professor de jazz. Além das instituições em que leciona, dá aulas na BackCountry Jazz, organização sem fins lucrativos que oferece educação musical para jovens em situação de risco.

Dmytro Choni (Ucrânia). O jovem músico, hoje com 26 anos, começou a estudar piano aos 4 anos de idade. Venceu o mundialmente famoso Paloma O’Shea Santander International Piano Competition 2018, na Espanha. Laureado em várias competições em países como Itália, Ucrânia, China, Estados Unidos, Itália e França. Realizou considerável número de recitais solo e música de câmara e tem atuado regularmente como solista de reconhecidas orquestras. A música de câmara também é parte importante das atividades musicais de Dmytro. Ele colaborou com famosos grupos, como Cuarteto Quiroga e Quartetto di Cremona, e músicos como os violinistas Andrej Bielow, Orest Smovzh e Mari Samuelsen.

Chun Wang (China). Nascido em 1990, começou a tocar piano com 5 anos de idade. Depois de vários prêmios em competições nacionais em seu país, ingressou no Conservatório Central de Música, em Beijing, com 13 anos. Completou seu mestrado na celebrada Julliard School, em 2015, e seu doutorado com Solomon Mikowsky na Manhattan School of Music, em Nova York. Já atuou em importantes salas ao redor do mundo, como Salle Cortot (Paris), Wigmore Hall (Londres), Sala Cecilia Meireles (Rio de Janeiro) e Teatro Coliseo (Buenos Aires), além de apresentações em outros países, em performances solos e em concertos com orquestra, com a Filarmônica de Buenos Aires, no Teatro Colon, com a Orquestra Sinfônica Nacional de Cuba, em Havana, com a MSM Symphony Orchestra, em Nova York.

Tom Worrell (Estados Unidos). Olhando sua biografia, parece que o destino do músico sempre foi viver e se apresentar em Nova Orleans. Foi ali, no berço do jazz, que trabalhou com personagens importantes do cenário local, artistas como Jumpin Johnny Sansone, JMonque’D, Mem Shannon & The Wild Magnolias, Walter Wolfman Washington, 101 Runners e Big Chief Monk Boudreaux. Atuou como multi-instrumentista e vocalista em algumas bandas de rock. Depois de conhecer a música de Professor Longhair e James Booker, mudou definitivamente sua forma de tocar: “Decidi que precisaria aprender a tocar daquele modo, ou pelo menos tentar. Desde então trabalho no estilo do piano de New Orleans e continuo nesse caminho até hoje”, revela o músico. Uma das figuras carimbadas da cena local, em Nova Orleans.

Gilson Peranzzetta. O pianista, compositor, arranjador, produtor e maestro é um dos mais renomados artistas brasileiros da atualidade. Sua performance como pianista e arranjador tem personalidade, criatividade, delicadeza, e requinte, sem jamais perder a brasilidade. Citado pelo maestro Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do planeta, recebeu inúmeros prêmios, entre eles, cinco Prêmios de Música Brasileira como melhor arranjador, compositor e solista. Atingiu a impressionante marca de 56 CDs lançados no período de 1968 a 2019. Tem 300 músicas compostas, muitas gravadas por artistas nacionais como Djavan, Ivan Lins, Leila Pinheiro, Leny Andrade, Dori Caymmi, Nana Caymmi, Edu Lobo, Emílio Santiago e artistas internacionais – George Benson, Sara Vaughn, Quincy Jones, Patty Austin, Jack Jones, Dianne Schurr, Dianne Reeves, Toots Thielemans, Shirley Horn e Barbra Streisand. Também é autor de peças para música de concerto, grupos de câmara, quarteto de cordas, quinteto de sopros, tendo atuado como solista e arranjador com a Orquestra Sinfônica Brasileira, Pittsburgh Symphony Orchestra (EUA), Metropole Orkest (Amsterdam), entre outras. Com sólida carreira internacional, apresenta-se anualmente nos mais importantes festivais na Europa, Estados Unidos e Japão.

Leandro Braga. Estudou piano já a partir dos 4 anos. Durante a faculdade (de Medicina, em que se formou), aproximou-se de músicos profissionais, o que o inspirou a procurar aprendizado com mestres do piano e do arranjo e orquestração, como Amylson Godoy, Nelson Ayres e Hilton Valente. Nesse período, conhece seu maior mestre e inspirador, o pianista, compositor e arranjador Luizinho Eça. Em sua longa carreira, foi requisitado como arranjador, tendo gravado inúmeras canções com Beth Carvalho, Chico Buarque, Caetano Veloso, Djavan, Fátima Guedes, Emílio Santiago, Tim Maia, Elba Ramalho, Guinga, Adriana Calcanhoto, e tantos outros. Entre esses, destaca seu trabalho com Ney Matogrosso, de quem foi diretor musical, Entre seus projetos atuais, a Sinfonia do Descobrimento, obra musical sobre a Carta do Descobrimento, de Pero Vaz de Caminha, e o show “Fé Cega”, na formação de trio (Piano, Contrabaixo e Percussão), dedicado a Milton Nascimento, onde explora principalmente as canções mais ritmadas do compositor.

Olinda Allessandrini. Suas atividades incluem apresentações ao vivo, gravações, atividades pedagógicas, colaboração em livros e jornais. É citada no livro “Arte do Piano”, de Sylvio Lago, pela “técnica apurada e dotada de fina imaginação e bom gosto”, “uma das mais atraentes pianistas do repertório nacional”. Em 2010, recebeu a medalha comemorativa ao “Ano Chopin”, do Consulado da Polônia em Porto Alegre. Tem CDs inteiramente dedicados a obras de Villa-Lobos, Radamés Gnattali e Araújo Vianna, além dos CDs “Panorama Brasileiro”, “Valsas”, “pamPiano”, “Ébano e Marfim”. Seu repertório pianístico vai do barroco ao contemporâneo e é frequentemente convidada como solista por orquestras, no Brasil e no exterior, com recitais, turnês e palestras realizadas em países como Alemanha, Áustria, Itália, Noruega e Estados Unidos.

Hercules Gomes. Começou a estudar piano como autodidata, aos 13 anos, e pouco tempo depois já tocava em grupos musicais de Vitória (ES), onde nasceu. Bacharel em música pela Unicamp, apresentou-se em alguns dos mais importantes festivais no Brasil e no exterior. Em 2015, participou da gravação do CD “Radamés Gnattali – Concertos Cariocas”, no qual interpretou o Concerto Carioca nº 2, com a Orquestra Sinfônica de Campinas. Em 2018, a convite do Ministério das Relações Exteriores, tocou como solista com a Jerusalem Symphony Orchestra. Seu primeiro trabalho solo, de 2013, demonstra fortes influências de ritmos brasileiros, jazz e da música erudita aliadas a uma técnica refinada, traduzindo ao piano seu universo sonoro. E em 2018 lançou seu segundo álbum intitulado “No tempo da Chiquinha” em comemoração aos 170 anos da pianista e compositora Chiquinha Gonzaga.


Luiz Guilherme Pozzi
. Graduou-se na classe da pianista russa Olga Kiun, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Primeiro colocado, com nota máxima, na prova de admissão da Escola Superior de Música de Freiburg, na Alemanha, também foi premiado com a bolsa integral da “Internationale Klavierakademie Murrhardt”, concorrendo com pianistas do mundo todo. Em 2005, integrou a classe do pedagogo russo Alexander Satz, na Universidade de Artes de Graz, na Áustria, onde foi diplomado com distinção. É mestre em música pela Unicamp e concluiu seu doutorado USP. Além de se apresentar regularmente como recitalista, camerista e solista em concertos com orquestra, é professor de piano e música de câmara e piano erudito.

Edson Sant´anna. Natural de Joinville, com carreira iniciada em bandas de baile e acompanhando cantoras, estudou piano na Casa da Cultura e Conservatório Belas Artes, antes de se transferir para São Paulo, em 2005. Lá, avançou em formação voltada ao piano popular, concluindo cursos de harmonia, contraponto e história da música, e também piano erudito. Sua peça “Sonatina n.01” obteve o terceiro lugar no 2º Concurso de Composição do Instituto Villa-Lobos, da Unirio (2010). Participou de grupos de música instrumental e atuou como professor em diversas oportunidades. É um dos idealizadores do Piano Talks, plataforma de ensino e conteúdo digital sobre piano popular.

Vivian Siedlecki. Professora adjunta da Universidade Estadual do Paraná (Unpespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Doutora em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Música pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Música de Câmara pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Bacharel em Instrumento/piano pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap).

Margareth Milano. Professora adjunta da Universidade do Paraná (Unespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap) desde 1994. Professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Música da Unespar/Embap), no Mestrado em Música. Doutora em Práticas Interpretativas/Piano pela UFRGS, com a tese “Percepções e concepções sobre corpo, gesto, técnica pianística e suas relações nas vivências de alunos de piano de dois cursos de pós-graduação em música”. Mestre em Execução Musical/Piano (UFBA), especialista em Educação Musical/Piano (Embap).

 

12set

Brasileiríssima, Chiquinha Gonzaga abre o Pianístico em grande estilo

Ainda há ingressos disponíveis para ver – e vivenciar – a obra de Chiquinha Gonzaga. Considerada a primeira musicista de choro e a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, a pianista Chiquinha Gonzaga é, também, a primeira grande homenageada do Pianístico 2019. Ela é tema do Chá Concerto, que se realiza nos salões da Sociedade Harmonia-Lyra às 16h do dia 19 de setembro e abre a programação oficial do evento, que se estende até o dia 22.

Quase uma especialista em Chiquinha, a pianista gaúcha Olinda Allessandrini chegou a gravar um cd exclusivo com as obras da artista e vai mostrar parte significativa do repertório da compositora, executando chorinhos, valsas e porcas.

O “Chá com Chiquinha Gonzaga faz uma verdadeira viagem no tempo, voltando ao glamour do início do século 20. Olinda Allessandrini se apresenta com figurino de época e também o público poderá comparecer vestido no estilo, se desejar. O espaço está sendo minuciosamente preparado pela Karam Eventos, que promete surpreender. No hall superior, por exemplo, um piano clássico estilizado, decorado com flores e notas musicais dá o tom ao ambiente. Nas mesas, arranjos em bules, vasinhos, xícaras e peças mimosas, usando flores dos anos 20, como cravinas e margaridas.

Ao custo de R$ 80,00, o público pode participar do chá e degustar o cardápio, também de época, especialmente preparado pela D´Marcos Buffet e Catering. No bufê, delícias como quiche de carne seca com brócolis, torta de linguiça portuguesa com legumes e bolo de rolo, entre as várias outras opções.

 

15ago

Revista Francisca terá 60 pontos de distribuição

Com lançamento realizado nesta quarta-feira, em evento para convidados na Casa 97, a Revista Francisca chega ao mercado inspirada pelo slogan “uma nova forma de ler Joinville”. A primeira edição, de 36 páginas, terá quase 60 pontos de distribuição, entre clínicas médicas, postos de combustível, supermercados, escolas, bibliotecas, clínicas e estabelecimentos comerciais. (No link , a relação completa dos locais já contatados pela equipe da revista.) Francisca também vai circular em órgãos públicos e entidades empresariais, na perspectiva de alcançar o maior número possível de leitores. A tiragem inicial é de 3 mil exemplares, impressos pela Gráfica Volpato, de Joinville. O site da revista, que já está no ar, como também sua fanpage (/revistafrancisca), foram desenvolvidos pela Joinvix.

O projeto foi idealizado por um time de sete experientes jornalistas, com atuação em agências, corporações e veículos da Região Norte de Santa Catarina: Ana Ribas Diefenthaeler, Cristiane Schmitz, Fábio Abreu, Guilherme Diefenthaeler, Jean Balbinotti, Jociane Nascimento e Rubens Herbst. A publicação foi batizada de Francisca em alusão à princesa que faz parte da história e do imaginário joinvilense, mas especialmente para traduzir o viés humanista do jornalismo que se propõe a oferecer, em pautas relevantes para a maior cidade catarinense e seu entorno, em áreas como cultura, comportamento, negócios, lazer e empreendedorismo. Na capa da primeira edição, o perfil de três mulheres contemporâneas chamadas Francisca – uma jovem advogada, uma médica e uma funcionária pública. Os responsáveis pela revista já estão em fase de prospecções para a edição de setembro, que deve circular até a metade do próximo mês.

31jul

Pianístico 2019 reafirma proposta de transformar Joinville na capital do piano

De 19 a 22 de setembro, evento terá concertos, atividades didáticas e apresentações em vários pontos da cidade

 

Pelo segundo ano consecutivo, o piano vai ser estrela na cidade das flores e da dança. A realização do Pianístico 2019, confirmada para os dias 19 a 22 de setembro, retoma o desafio de transformar Joinville na capital do piano, com uma programação que promete encantar os apreciadores do instrumento, mesclando concertos e atividades didáticas, nomes internacionais, nacionais e, claro, talentos locais. Serão quase 20 apresentações em pelo menos oito locais, entre salas de espetáculo e shopping-centers, uma livraria e uma galeria de arte, além da exibição de músicos em bares e restaurantes. Mais uma vez, o acesso será gratuito.

A abertura oficial será no dia 19, às 20h, com duo dos pianistas Gilson Peranzzetta e Leandro Braga, no Teatro Juarez Machado. O carioca Peranzzetta é maestro, orquestrador, compositor e instrumentista, tendo sido citado pelo produtor norte-americano Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do mundo. Já acompanhou artistas como Ivan Lins, Elizeth Cardozo, Gonzaguinha e Gal Costa. Braga, paulista, graduou-se em medicina, mas enveredou pela música popular e pelo jazz. Gravou com Chico Buarque, Caetano, Djavan e Ney Matogrosso, entre outros astros da MPB. Também no dia 19, às 16h, na Sociedade Harmonia Lyra, o público será convidado a tomar um chá com a célebre Chiquinha Gonzaga, a primeira musicista de choro e a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, no início do século 20. Chiquinha será interpretada pela pianista Olinda Allessandrini. No espetáculo, e em outros momentos do Pianístico 2019, haverá a participação de atores trajados como cinco célebres pianistas, em performances que estão sendo preparadas pelo diretor teatral Lucas David.

A Comissão Central Organizadora do evento é presidida por Carlos Branco, da Branco Produções, com mais de 25 anos de atuação em toda a América do Sul, que, além de produzir shows e festivais pelo país, é curadora de alguns das principais instituições musicais do país, como o Santander Cultural, o Instituto Ling e o Museu do Estado de Pernambuco. Branco também assina como diretor artístico do Pianístico 2019.

A coordenação geral é de Albertina Tuma, que, com o bailarino Carlos Tafur, criou o Festival de Dança de Joinville e é nacionalmente reconhecida por sua atuação no setor cultural. Ganhou o Prêmio Mambembe de 1988, no Rio de Janeiro, recebeu homenagem do Teatro Municipal de São Paulo, e, mais recentemente, da Câmara de Vereadores e do próprio Festival de Dança de Joinville. Na coordenação técnica, Patrícia Sirydakis Macedo, professora de piano, com formação, especialização e ampla experiência em educação musical.

O festival, nascido como Pianíssimo em 2018, mudou de nome para viabilizar o registro da marca que, a partir de agora, vai acompanhar o evento. Mas, garante Carlos Branco, as diretrizes que orientam a iniciativa continuam as mesmas. “Apesar das dificuldades econômicas que o país atravessa, com auxílio de patrocinadores que apostaram no projeto, conseguiremos novamente trazer a Joinville alguns importantes nomes do piano mundial, com a presença de artistas da Ucrânia, China, Nicarágua, Estados Unidos, Alemanha e vários reconhecidos pianistas brasileiros, executando música erudita, blues, jazz e o melhor da MPB”, resume o diretor artístico.

Outra iniciativa de sucesso no ano passado que se repete na edição 2019 é o trabalho de formação em algumas escolas públicas de Joinville, coordenado pela professora Patrícia Macedo. Na última semana de agosto, Patrícia realiza palestras interativas, com apoio audiovisual, abordando o piano e seus compositores. “O objetivo principal é ampliar o universo musical e cultural das crianças,  além de criar um cenário mais concreto relacionando  a música com a história e geografia”, adianta Patrícia. “Faremos uma passagem pelos períodos da música, focando pianistas importantes”. As crianças receberão uma cartilha com resumo da palestra, curiosidades  dos músicos e uma seleção de peças para ouvir em casa com familiares e amigos. Ainda na linha didática, a programação do Pianístico prevê encontros com músicos convidados, oficinas e um curso de formação para professores.

 

A PROGRAMAÇÃO

19 de setembro

16h – Sociedade Harmonia Lyra – Concerto e Chá com Chiquinha Gonzaga – Olinda Allessandrini

20h – Teatro Juarez Machado – Duo de pianos, com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga

20 de setembro

10h – Casa da Cultura de Joinville – Oficina com Gilson Peranzzetta e Leandro Braga, sobre técnicas interpretativas da música popular

10h e 14h – Teatro Juarez Machado – Olinda Allessandrini – Concerto didático para alunos e professores de escolas públicas

17h – Escola Bolshoi – Luiz Guilherme Pozzi

19h – Shopping Mueller – Edson Sant´anna

20h30 – Teatro Juarez Machado – Dmytro Choni (Ucrânia)

22h30 – Galeria 33 – Tom Worrell (Estados Unidos)

21 de setembro

10h30 e 13h30 – Casa da Cultura – Oficina de práticas pedagógicas para professores de iniciação musical ao piano, com as dras. Margareth Mila e Vivian Siedlecki

10h – Livraria A Página – Apresentação de pianistas inscritos pelo site do evento, para alunos de piano das escolas de música de Joinville

18h – Casa da Cultura – Encontro com o pianista Hercules Gomes, com o tema “O piano na música popular brasileira”

19h – Shopping Mueller – Tom Worrell (Estados Unidos)

20h30 – Teatro Juarez Machado – Chun Wang (China)

22h30 – Galeria 33 – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

22 de setembro

10h30 – Teatro Juarez Machado – Martin Münch (Alemanha)

17h – Teatro Juarez Machado – Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos)

19h30 – Teatro Juarez Machado – Concerto de encerramento, com Hercules Gomes

 

Conheça os pianistas convidados

Martin Münch (Alemanha). Estudou música, filosofia e composição no Conservatório Superior de Karlsruhe. Como solista, realizou concertos em 30 países. Seu repertório atual inclui a suíte “Iberia” (completa), de Albéniz, e as dez Sonatas de Scriabin. Sua vivência musical abrange 56 obras, de música para piano e música de câmara a orquestra. Foi professor de piano na Universidade de Bamberg, de 1994 a 2013. Também é diretor artístico de vários festivais de piano em Heidelberg, Florença e outras cidades.

Donald Vega (Nicarágua/Estados Unidos). Nascido em Masaya, Nicaraguá, estudou piano clássico em seu país. Deixou a Nicarágua aos 14 anos, chegando a Los Angeles, em 1989. Hoje, vive em Nova York. Nos Estados Unidos, aos poucos foi migrando para o jazz, com graduação superior voltada ao gênero. Em 2013, passou a atuar como pianista do Ron Carter Trio. Uma lenda do jazz, Ron se encantou pelo piano de Donald, seu virtuosismo e bom gosto, técnica e sensibilidade. Donald tem viajado o mundo ao lado desse grande nome da música interncional. Em 2008, lançou seu primeiro álbum. Também é renomado professor de jazz. Além das instituições em que leciona, dá aulas na BackCountry Jazz, organização sem fins lucrativos que oferece educação musical para jovens em situação de risco.

Dmytro Choni (Ucrânia). O jovem músico, hoje com 26 anos, começou a estudar piano aos 4 anos de idade. Venceu o mundialmente famoso Paloma O’Shea Santander International Piano Competition 2018, na Espanha. Laureado em várias competições em países como Itália, Ucrânia, China, Estados Unidos, Itália e França. Realizou considerável número de recitais solo e música de câmara e tem atuado regularmente como solista de reconhecidas orquestras. A música de câmara também é parte importante das atividades musicais de Dmytro. Ele colaborou com famosos grupos, como Cuarteto Quiroga e Quartetto di Cremona, e músicos como os violinistas Andrej Bielow, Orest Smovzh e Mari Samuelsen.

Chun Wang (China). Nascido em 1990, começou a tocar piano com 5 anos de idade. Depois de vários prêmios em competições nacionais em seu país, ingressou no Conservatório Central de Música, em Beijing, com 13 anos. Completou seu mestrado na celebrada Julliard School, em 2015, e seu doutorado com Solomon Mikowsky na Manhattan School of Music, em Nova York. Já atuou em importantes salas ao redor do mundo, como Salle Cortot (Paris), Wigmore Hall (Londres), Sala Cecilia Meireles (Rio de Janeiro) e Teatro Coliseo (Buenos Aires), além de apresentações em outros países, em performances solos e em concertos com orquestra, com a Filarmônica de Buenos Aires, no Teatro Colon, com a Orquestra Sinfônica Nacional de Cuba, em Havana, com a MSM Symphony Orchestra, em Nova York.

Tom Worrell (Estados Unidos). Olhando sua biografia, parece que o destino do músico sempre foi viver e se apresentar em Nova Orleans. Foi ali, no berço do jazz, que trabalhou com personagens importantes do cenário local, artistas como Jumpin Johnny Sansone, JMonque’D, Mem Shannon & The Wild Magnolias, Walter Wolfman Washington, 101 Runners e Big Chief Monk Boudreaux. Atuou como multi-instrumentista e vocalista em algumas bandas de rock. Depois de conhecer a música de Professor Longhair e James Booker, mudou definitivamente sua forma de tocar: “Decidi que precisaria aprender a tocar daquele modo, ou pelo menos tentar. Desde então trabalho no estilo do piano de New Orleans e continuo nesse caminho até hoje”, revela o músico. Uma das figuras carimbadas da cena local, em Nova Orleans.

Gilson Peranzzetta. O pianista, compositor, arranjador, produtor e maestro é um dos mais renomados artistas brasileiros da atualidade. Sua performance como pianista e arranjador tem personalidade, criatividade, delicadeza, e requinte, sem jamais perder a brasilidade. Citado pelo maestro Quincy Jones como um dos maiores arranjadores do planeta, recebeu inúmeros prêmios, entre eles, cinco Prêmios de Música Brasileira como melhor arranjador, compositor e solista. Atingiu a impressionante marca de 56 CDs lançados no período de 1968 a 2019. Tem 300 músicas compostas, muitas gravadas por artistas nacionais como Djavan, Ivan Lins, Leila Pinheiro, Leny Andrade, Dori Caymmi, Nana Caymmi, Edu Lobo, Emílio Santiago e artistas internacionais – George Benson, Sara Vaughn, Quincy Jones, Patty Austin, Jack Jones, Dianne Schurr, Dianne Reeves, Toots Thielemans, Shirley Horn e Barbra Streisand. Também é autor de peças para música de concerto, grupos de câmara, quarteto de cordas, quinteto de sopros, tendo atuado como solista e arranjador com a Orquestra Sinfônica Brasileira, Pittsburgh Symphony Orchestra (EUA), Metropole Orkest (Amsterdam), entre outras. Com sólida carreira internacional, apresenta-se anualmente nos mais importantes festivais na Europa, Estados Unidos e Japão.

Leandro Braga. Estudou piano já a partir dos 4 anos. Durante a faculdade (de Medicina, em que se formou), aproximou-se de músicos profissionais, o que o inspirou a procurar aprendizado com mestres do piano e do arranjo e orquestração, como Amylson Godoy, Nelson Ayres e Hilton Valente. Nesse período, conhece seu maior mestre e inspirador, o pianista, compositor e arranjador Luizinho Eça. Em sua longa carreira, foi requisitado como arranjador, tendo gravado inúmeras canções com Beth Carvalho, Chico Buarque, Caetano Veloso, Djavan, Fátima Guedes, Emílio Santiago, Tim Maia, Elba Ramalho, Guinga, Adriana Calcanhoto, e tantos outros. Entre esses, destaca seu trabalho com Ney Matogrosso, de quem foi diretor musical, Entre seus projetos atuais, a Sinfonia do Descobrimento, obra musical sobre a Carta do Descobrimento, de Pero Vaz de Caminha, e o show “Fé Cega”, na formação de trio (Piano, Contrabaixo e Percussão), dedicado a Milton Nascimento, onde explora principalmente as canções mais ritmadas do compositor.

Olinda Allessandrini. Suas atividades incluem apresentações ao vivo, gravações, atividades pedagógicas, colaboração em livros e jornais. É citada no livro “Arte do Piano”, de Sylvio Lago, pela “técnica apurada e dotada de fina imaginação e bom gosto”, “uma das mais atraentes pianistas do repertório nacional”. Em 2010, recebeu a medalha comemorativa ao “Ano Chopin”, do Consulado da Polônia em Porto Alegre. Tem CDs inteiramente dedicados a obras de Villa-Lobos, Radamés Gnattali e Araújo Vianna, além dos CDs “Panorama Brasileiro”, “Valsas”, “pamPiano”, “Ébano e Marfim”. Seu repertório pianístico vai do barroco ao contemporâneo e é frequentemente convidada como solista por orquestras, no Brasil e no exterior, com recitais, turnês e palestras realizadas em países como Alemanha, Áustria, Itália, Noruega e Estados Unidos.

Hercules Gomes. Começou a estudar piano como autodidata, aos 13 anos, e pouco tempo depois já tocava em grupos musicais de Vitória (ES), onde nasceu. Bacharel em música pela Unicamp, apresentou-se em alguns dos mais importantes festivais no Brasil e no exterior. Em 2015, participou da gravação do CD “Radamés Gnattali – Concertos Cariocas”, no qual interpretou o Concerto Carioca nº 2, com a Orquestra Sinfônica de Campinas. Em 2018, a convite do Ministério das Relações Exteriores, tocou como solista com a Jerusalem Symphony Orchestra. Seu primeiro trabalho solo, de 2013, demonstra fortes influências de ritmos brasileiros, jazz e da música erudita aliadas a uma técnica refinada, traduzindo ao piano seu universo sonoro. E em 2018 lançou seu segundo álbum intitulado “No tempo da Chiquinha” em comemoração aos 170 anos da pianista e compositora Chiquinha Gonzaga.


Luiz Guilherme Pozzi
. Graduou-se na classe da pianista russa Olga Kiun, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Primeiro colocado, com nota máxima, na prova de admissão da Escola Superior de Música de Freiburg, na Alemanha, também foi premiado com a bolsa integral da “Internationale Klavierakademie Murrhardt”, concorrendo com pianistas do mundo todo. Em 2005, integrou a classe do pedagogo russo Alexander Satz, na Universidade de Artes de Graz, na Áustria, onde foi diplomado com distinção. É mestre em música pela Unicamp e concluiu seu doutorado USP. Além de se apresentar regularmente como recitalista, camerista e solista em concertos com orquestra, é professor de piano e música de câmara e piano erudito.

Edson Sant´anna. Natural de Joinville, com carreira iniciada em bandas de baile e acompanhando cantoras, estudou piano na Casa da Cultura e Conservatório Belas Artes, antes de se transferir para São Paulo, em 2005. Lá, avançou em formação voltada ao piano popular, concluindo cursos de harmonia, contraponto e história da música, e também piano erudito. Sua peça “Sonatina n.01” obteve o terceiro lugar no 2º Concurso de Composição do Instituto Villa-Lobos, da Unirio (2010). Participou de grupos de música instrumental e atuou como professor em diversas oportunidades. É um dos idealizadores do Piano Talks, plataforma de ensino e conteúdo digital sobre piano popular.

Vivian Siedlecki. Professora adjunta da Universidade Estadual do Paraná (Unpespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Doutora em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Música pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Música de Câmara pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Bacharel em Instrumento/piano pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap).

Margareth Milano. Professora adjunta da Universidade do Paraná (Unespar), na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap) desde 1994. Professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Música da Unespar/Embap), no Mestrado em Música. Doutora em Práticas Interpretativas/Piano pela UFRGS, com a tese “Percepções e concepções sobre corpo, gesto, técnica pianística e suas relações nas vivências de alunos de piano de dois cursos de pós-graduação em música”. Mestre em Execução Musical/Piano (UFBA), especialista em Educação Musical/Piano (Embap).