Menu

Blog

02ago 

Rôgga renova patrocínio de atletas joinvilenses

A Rôgga Empreendimentos renovou o contrato de patrocínios individuais com as atletas Ana Lays Bayer e Samara Furtado, da equipe joinvilense de atletismo Rôgga/Corville/Sesporte. O patrocínio, iniciado para ambas em 2015, foi estendido até dezembro de 2018.

Segundo Vilson Buss, presidente da empresa, o patrocínio é uma maneira de valorizar os talentos que se sobressaem na equipe. “Isso faz com que os atletas patrocinados sejam exemplos para motivação de outros jovens a se dedicarem ao esporte.  O atletismo é uma poderosa forma de socialização para crianças e jovens”, explica Buss, que é ex-atleta.

Além dos patrocínios individuais, o incentivo e apoio da Rôgga se estende à equipe de atletismo de Joinville, que abraça mais de 80 crianças e jovens. “A construtora leva o patrocínio com seriedade, com uma gestão profissional envolvida na comunicação, assessoria de imprensa e marketing. Os ganhos, ao longo dos últimos anos, mostram a força do investimento: colhemos resultados como conquistas, vitórias, recordes e bons exemplos dos esportistas”, informa a diretora comercial Aline Ev.

Ana Lays Bayer

Com 19 anos, Ana Lays é destaque na modalidade do lançamento do martelo, sendo a primeira do ranking brasileiro na categoria sub-23, com a marca de 60,98 metros. A joinvilense treina há sete anos e está atualmente sob a tutela do técnico João Carlos dos Santos.

Neste ano, ficou em quarto lugar no Pan Americano Universitário, levou medalha de ouro na 62ª edição do JUCs, sendo também campeã do Estadual e Brasileiro Sub-23. O objetivo de Ana é “sempre melhorar mais a cada dia”, para alcançar o primeiro lugar do ranking brasileiro adulto e estar presente em competições internacionais, culminando na participação das Olimpíadas, em 2020.

Samara Furtado

Destaque da equipe joinvilense, Samara, de 20 anos, treina desde 2010 e compete nas modalidades de lançamento do disco e do martelo, sob a tutela do técnico Flávio Sergio Pscheidt. Assim como a Ana Lays, já representou o Brasil em Campeonatos Sul-americanos e Pan-americanos, sendo uma das melhores colocadas no ranking brasileiro em suas provas.

Em 2018, conquistou o primeiro lugar no lançamento de disco no Estadual Sub-23. Na modalidade do lançamento do martelo, ficou segundo lugar no campeonato e também conquistou o terceiro lugar no Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo. Seus objetivos, a longo prazo, são melhorar suas marcas em ambas modalidades, ficar entre as cinco primeiras colocadas no ranking brasileiro adulto,  entre as primeiras no ranking sul americano sub-23 e “medalhar” no Troféu Brasil Caixa de Atletismo.

31jul 

A força das articulações regionais na trilha da inovação

Juliano Alves Pinto é graduado em Relações Internacionais pela PUC-Minas e mestrando em inovação tecnológica e propriedade intelectual pela UFMG; diplomata, lidera, desde o ano passado, o projeto “Diplomacia da Inovação”, fruto de parceria entre o Escritório do Itamaraty em Minas Gerais e a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), com o objetivo de aproximar o ecossistema de Belo Horizonte das principais praças inovadoras do mundo. Na Expoinovação 2018, de 14 a 16 de agosto, no Teatro Juarez Machado, apresenta a palestra: “Cultura empreendedora do Vale do Silício”.

 

Recentemente, foi anunciada a instalação de centro global de pesquisa e desenvolvimento da empresa californiana Hyperloop Transportation Technologies na cidade de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). O ineditismo da vinda da Hyperloop TT ao Brasil se deve ao fato de que jamais se havia vislumbrado a possibilidade de que tecnologias de ruptura de impacto global como as que a empresa apresenta pudessem ser desenvolvidas no país. A tecnologia hyperloop, fruto de plataforma aberta lançada pelo visionário da tecnologia Elon Musk em 2013, permite que cargas e pessoas sejam transportadas em cápsulas propulsionadas por ar comprimido através de tubos a vácuo, a velocidades superiores a 1.200 km/h, ou seja, ultrapassando a barreira do som.

Para além do impacto que uma tecnologia desse calibre pode gerar junto ao ecossistema local – sobretudo por meio da intensiva mobilização de recursos e talentos, além de se ampliar a própria capacidade de atrair centros de P&D semelhantes –, ressalte-se que a vinda da Hyperloop TT para Minas Gerais foi produto de intensa participação de atores da cena inovadora mineira, com destaque para a liderança da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) nessa complexa articulação  que trouxe, à mesma mesa, o Governo de Minas Gerais, a Prefeitura de Contagem, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), bem como empresários e investidores locais, além do próprio Ministério das Relações Exteriores, por meio de seu escritório de Diplomacia da Inovação em Belo Horizonte. Trata-se de uma abordagem típica no modelo de tripla-hélice, em que Governo (em suas três esferas), Indústria e Academia trabalham de forma coordenada, com vistas a um propósito transformador comum.

Em que pesem iniciativas positivas no âmbito federal para se atrair centros de P&D estrangeiros, encabeçadas em sua maioria pela Apex-Brasil e pelo Ministério da Indústria, do Comércio Exterior e dos Serviços (MDIC), chego à conclusão de que as articulações regionais são ainda mais eficazes que as nacionais, em face da difícil missão de trazer instituições e empresas de alta tecnologia ao Brasil, competindo diretamente com países tais como China e Índia, cujas vantagens competitivas dispensam credenciais. Após a experiência da Hyperloop TT em Minas, fica claro que, num país de dimensões continentais como o Brasil, é preciso reforçar a noção de ecossistema, em que as principais instituições e atores locais dialogam, cooperam e colaboram entre si, criando um modelo de governança da inovação capaz de prevenir problemas, antecipar soluções e garantir a sempre almejada continuidade em projetos de caráter estratégico.

Tive a imensa satisfação de contribuir para o sucesso dessa empreitada, oferecendo os bons ofícios do Itamaraty na articulação entre atores, em complemento ao esforço encabeçado pela FIEMG, além de garantir a devida agilidade na concessão de vistos a engenheiros, pesquisadores e executivos de múltiplas nacionalidades, em contato direto com Embaixadas e Consulados mundo afora, com destaque para o Consulado-Geral em Los Angeles. Este foi o primeiro grande resultado do projeto Diplomacia da Inovação, que tem como simples objetivo pensar e apresentar soluções rápidas e eficazes a demandas junto a parceiros no exterior, pontualmente encaminhadas pelos ecossistemas locais, sem qualquer custo ou clamor por protagonismo.

Mais importante do que tudo isso, porém, é ver que Minas Gerais, já vista como um benchmarking para o Brasil em matéria de inovação, sendo referência em startups e programas de aceleração, consegue passar uma imagem de maturidade e visão de longo prazo que ainda não encontra par no resto do país, mas que ajuda sobremaneira a que o Brasil se afirme, cada dia mais, como potência geradora de conhecimento e múltiplas oportunidades na excessivamente competitiva Nova Economia.

 

31jul 

Sono e cansaço podem ser sintomas de neoplasia

Hugo Martins de Oliveira, Cancerologista Pediátrico do Hospital Dona Helena

 

Seu filho dorme mais que o recomendado pelo pediatra? Sente cansaço constante ou deixou de fazer atividades rotineiras? Preste atenção na mudança de comportamento. Sintomas tidos como “preguiça” podem indicar doenças como distúrbio do sono, transtornos de humor – depressão e ansiedade –, anemia, insuficiência cardíaca e câncer. A alteração dos hábitos infantis, assim que identificada, deve servir como alerta para pais e responsáveis. É aconselhado procurar um médico para identificar a causa e descartar o diagnóstico de neoplasia.

Neoplasia, também chamada de câncer ou tumor maligno, significa a proliferação (duplicação celular) anormal, autônoma e descontrolada de um determinado tecido do corpo. As doenças neoplásicas mais comuns em crianças e adolescentes são as leucemias, seguidas dos tumores do sistema nervoso central, linfomas (conhecidos como surgimento de grandes ínguas ou linfonodos), tumores renais, ósseos e sarcomas.

Os portadores dessas doenças não possuem um perfil específico, devido a isto é preciso estar atento às crianças com histórico familiar de câncer, malformações congênitas e síndromes clínicas associadas a um maior risco de desenvolvimento de neoplasias. Diferentemente do adulto, o câncer infanto-juvenil ocorre de forma espontânea. Não existe culpado, algo que pudesse ser feito para evitar ou que ocorreu para desenvolver, a maioria está associada mutações genéticas.

O que dificulta o diagnóstico precoce é o fato de a apresentação clínica ocorrer por meio de sinais e sintomas inespecíficos. O quadro clínico inicial é o mesmo visto em doenças benignas frequentes na infância, por exemplo. Além do excesso de sono e cansaço constante, também são sintomas das doenças neoplásicas: febre persistente, perda de peso não explicada, suor noturno, coceira, aumento de volume dos linfonodos (ínguas), aumento do volume abdominal, dores articulares, alteração visual, regressão do desenvolvimento da criança, vômitos persistentes, crise convulsivas, hipertensão arterial, puberdade precoce, alteração do hábito intestinal e urinário e aumento do volume testicular, entre outros.

Atenção: o excesso de sono em crianças e adolescentes pode ser a causa do baixo rendimento escolar, isolamento social e depressão. Porém, para saber o verdadeiro impacto na saúde, é preciso investigar e realizar o tratamento de forma adequada.

 

25jul 

ExpoInovação 2018 debate impacto da tecnologia na sociedade e na economia

Na sexta edição, evento caminha para se tornar referência nacional

 

“A forma como fazemos as coisas mudou. Temos certeza de que o futuro é agora. Joinville está no futuro”, sintetiza Marcos Hollerwegger, presidente do Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Comciti), ao apontar a 6ª ExpoInovação, de 14 a 16 de agosto, como indicador do momento positivo que a cidade vivencia nesse segmento, “com uma sinergia muito forte entre os elos que compõem a corrente da inovação”.

Durante três dias, o público que for ao Teatro Juarez Machado (ingressos já à venda, pelo site www.expoinovacao.com.br, a partir de R$ 25) terá a oportunidade de conferir uma boa amostra dos rumos da inovação no Brasil e no mundo, por meio de palestras, painéis, workshops e atividades de capacitação (veja a programação, abaixo). Startups que tiverem interesse poderão se apresentar para investidores-anjo, aceleradoras e fundos de investimento, e os melhores cases de inovação irão concorrer ao Prêmio Joinville Inovação 2018.

Na visão de Hollerwegger, também diretor do Senai em Joinville, o compartilhamento de experiências e a aproximação das instituições, públicas ou privadas, torna o evento o “ambiente ideal” para desenvolver inovação. “A ExpoInovação está se transformando no maior encontro de inovação do Brasil, atraindo ícones de várias partes do mundo, para pensar nos impactos das tecnologias na vida das pessoas, das comunidades, das empresas, assim como na economia. Os participantes poderão saber o que está acontecendo no mundo sobre o tema”, anuncia.

 

Inova Joinville

Levantamento do portal SC Inova, especializado em conteúdos sobre o ecossistema de inovação, situa nos últimos cinco anos uma guinada no perfil de Joinville nesse campo, que até então se restringia à vocação industrial. “O cenário começou a mudar em função de uma articulação entre empreendedores, com apoio de entidades privadas e uma nova visão do poder público sobre como a cidade deveria planejar sua matriz econômica no futuro”, pontua a análise, em texto assinado por Fabrício Rodrigues, lembrando que um dos pontos de virada foi a realização de eventos como a Startup Weekend, a partir de 2016, o que evidencia a importância desse tipo de encontro.

Programação da 6ª Expoinovação

14 de agosto

13h30 às 17h. Networking para startups. Sessão de negócios com a participação de startups, fundos de investimentos, aceleradoras e empresas

17h às 18h. Workshop: aspectos jurídicos para inovação aberta e investimento em startups. Marcus Silva, da STT Advogados. Aberto ao publico

18h às 19h. Credenciamento e café de boas-vindas

19h. Abertura oficial. Palestras de Ricardo Penzin (Hyperloop TT) e Alexandre Vasques (Global Black Belt Latam Microsoft). Painel sobre o impacto das tecnologias disruptivas na economia e na sociedade, com Penzin e Vasques

15 de agosto

13h30 às 17h. Fórum de inovação na educação, oferecido pelas instituições de ensino de Joinville para professores do ensino básico ao superior. Atividade aberta ao público, não exige ingresso

17h às 18h. Workshop sobre Educação Exponencial, com Rafael Ávila, diretor de inovação do Grupo Anima Educação. Aberto ao publico

18h às 19h. Credenciamento e café de boas-vindas

19h. Palestra com Juliano Alves Pinto (ex-cônsul brasileiro no Vale do Silício). Anúncio dos vencedores do Prêmio de Inovação 2018.  Palestra com Francisco Milagres (Mirach, GetEx, SingularityU Brasil Summit). Após, painel com os dois palestrantes e com Fernando Seabra, Líder do Grupo de Relacionamento com Investidores da Fiesp, investidor-anjo, líder da equipe de analistas do programa “Shark Tank Brasil” e mentor do Founders Institute

16 de agosto

14h às 17h. Fórum de Inovação Social, comandado pelo Núcleo de Tecnologia e Inovação da Acij. Atividade aberta ao público, não exige ingresso

17h às 18h. Workshop

18h às 19h. Credenciamento e café de boas-vindas

19h. Palestras com Paulino Duarte (Exit) e Ralph Peticov (fundador do Hack Town). Após, painel sobre o futuro da tecnologia na indústria nacional, com Jefferson Oliveira Gomes (diretor regional do Senai SC), Carlos Sakuramoto (gerente técnico de ferramentaria da GM Mercosul),  José Luis Gordon (Diretor de Planejamento e Gestão da Embrapi) e Bruno Salmeron (diretor da Schulz)

Com a palavra

“Há tempos que Joinville vem se destacando como cidade inovadora e empreendedora. Temos na região grandes empresas e grandes nomes que impulsionam a economia, e é muito gratificante tê-los como incentivadores das nossas ações para promover a inovação. Estamos muito felizes com a possibilidade de a ExpoInovação se tornar o maior evento de inovação da Região Sul. Muitos querem estar aqui, entender por que chegamos aonde chegamos.”
Francine Rafaeli Kasulke, coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica Joinville e 2ª secretária da Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação

 

Saiba mais sobre alguns dos palestrantes convidados

Alexandre Vasques, Global Black Belt Latam Microsoft – Advanced Analytics & IoT. Especialista com mais de 30 anos de atuação na área de Tecnologia da Informação. Começou na indústria de Data Warehouse em 1999, quando a NCR o convidou para participar do startup da Divisão da Teradata no Brasil e desenvolveu o primeiro projeto do Data Warehouse usando o Database Appliance no Brasil. Participou do startup da Business Objects no Brasil, passando pela Oracle, Teradata, Capgemini e HP. Uniu-se à Microsoft para fazer parte do Grupo Global de Black Belts para Advanced Analytics e IoT na América Latina, com a missão de ajudar clientes e parceiros na América Latina a modernizar seus processos por meio de tecnologias inovadoras e disruptivas de Serviços Cognitivos, IoT e Indústria 4.0. No ExpoInovação, vai falar sobre IoT, Analytics, Big Data, Machine Learning, Inteligência Artificial e Realidade Mista. O que são estas tecnologias e como podem ser aplicadas na indústria trazendo mais controle e informação?”


Francisco Milagres.
Mirach, GetEx, SingularityU Brasil Summit. Consultor de grandes organizações com foco em estratégia, tecnologia e venture capital, e especialista em tecnologias exponentenciais pela Singularity University (o campus da Nasa no Vale do Silício). Internacionalmente, é um dos poucos profissionais reconhecidos por Salim Ismail, um dos fundadores da Singularity University, como especialista em organizações exponenciais. Também um dos responsáveis pela concepção e realização do primeiro evento internacional da Singularity University no Brasil, o SingularityU Brasil Summit. Palestra “Promovendo a Transformação Exponencial”.

Juliano Alves Pinto é graduado em Relações Internacionais pela PUC-Minas, com pós-graduação em venture capital pela Universidade da Califórnia, em Berkeley. Diplomata de carreira desde 2007, foi cônsul-adjunto do Brasil em São Francisco, nos Estados Unidos, de 2013 a 2016, e responsável pela área de promoção comercial e internacionalização de empresas brasileiras na África, também pelo Itamaraty, entre 2008 e 2009. Desde o ano passado, lidera o projeto “Diplomacia da Inovação”, fruto de parceria entre o Escritório do Itamaraty em Minas Gerais e a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), com o objetivo de aproximar o ecossistema de Belo Horizonte das principais praças inovadoras do mundo. Palestra: “Cultura empreendedora do Vale do Silício”.


Ralph Peticov
começou carreira no cinema publicitário, mas sua inquietude e vocação para hackear tendências o fez recalcular a rota. Criado numa família hippie de artistas plásticos, teve, desde pequeno, contato intenso com o universo das ideias. Agora, traz seu olhar criativo e disruptivo para a mudança que deseja no mundo. Define-se por expressões como “pensar fora da caixa” e “quebrar regras”. Vem falar sobre a realização de um inusitado festival que, pelo compartilhamento de experiências e informações, procura reunir “gente interessante e engajada, fora do eixo tradicional”, para estabelecer conexões “que possam construir um mundo melhor nos universos que habitam. Parece visionário, mas isso já está acontecendo há três edições em Santa Rita do Sapucaí, no Vale do Silício Brasileiro”. Palestra: “Hacktown – Como unir arte, tecnologia, música, educação, cultura e empreendedorismo em um só festival com 3 mil protagonistas em uma cidade do interior de Minas?”


Ricardo Penzin.
Apaixonado por inovação, palestrante, empreendedor, já atuou com desenvolvimento de projetos, tendo várias passagens pelo Vale do Silício, apoiador na elaboração das leis de incentivo a inovação brasileira, com experiência em projetos de aumento da competitividade industrial por meio da inovação. Ex-head de inovação do Instituto Euvaldo Lodi para a região de SP, hoje atua como desenvolvedor de negócios da Hyperloop Transportation Technologies para o Brasil. Formado em Administração de empresas, com MBA em Inovação Estratégica, com 15 anos de experiência. A Hyperloop TT desenvolve um sistema de transporte baseado na tecnologia criada em 2013 por Elon Musk, fundador da Tesla, que consiste em uma cápsula que levita em tubos de vácuo a velocidade que podem atingir até 1.123 km/h, mais do que a velocidade do som. Ricardo falará sobre a tecnologia, o futuro do transporte de cargas e passageiros e os planos da empresa para o Brasil. Palestra: “Hyperloop, o transporte do futuro e os planos para o Brasil”.

10jul 

Rôgga Empreendimentos é uma das 20 maiores construtoras do Brasil

14° Ranking ITC listou as empresas catarinenses que mais se destacaram em 2017

 

Com quase 12 anos de história, a Rôgga Empreendimentos conquista mais um reconhecimento por sua consolidação no mercado imobiliário em Santa Catarina. A construtora e incorporadora catarinense foi listada em 19º lugar no 14° Ranking ITC, que classificou as 100 maiores construtoras do Brasil em 2017. Em 2016, a Rôgga estava em 55º lugar na pesquisa, ou seja, subiu 36 posições no ranking.

O estudo é realizado pela Inteligência Empresarial da Construção (ITC), que acompanha a evolução do setor da construção há quase 40 anos. Idealizada em 2004, a pesquisa tem como objetivo mostrar ao mercado quais as construtoras que mais se destacaram no ano em metros construídos, em qual segmento mais atuaram e em qual região do Brasil marcaram presença.

A Rôgga preza por produtos e serviços que agreguem confiabilidade, qualidade, agilidade e inovação. Desde o início das atividades, em 2006, a construtora e incorporadora já entregou mais de 3.500 apartamentos, distribuídos em 55 torres localizadas em Joinville, Jaraguá do Sul, Barra Velha, Balneário Piçarras e Penha. O volume de área construída é de mais de 350 mil m². “Fazemos empreendimentos priorizando a localização, atendendo ao desejo do cliente de morar bem, com apartamentos modernos e funcionais. A empresa capacita e investe constantemente em tecnologia e inovação, oferecendo residenciais competitivos, com soluções cada vez mais sustentáveis e com alta valorização”, destaca Vilson Buss, diretor-presidente da Rôgga.

Em 2017, a construtora também se destacou entre as 50 companhias mais inovadoras do Sul do Brasil, na 14ª edição da pesquisa Campeãs de Inovação, feita pelo Revista Amanhã. Foi a única construtora e incorporadora da Região Sul listada no ranking. A Rôgga, ainda, foi a primeira incorporadora e construtora do Brasil a receber o Selo Casa Azul, categoria Ouro, referência em sustentabilidade pela Caixa Econômica Federal (CEF).